segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Ano que vem...

... eu quero voltar a postar neste blog!


Até lá!

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Momento Carrie Bradshaw

Sandália-bota, o objeto de desejo mais legal em que apostaram nos últimos tempos.


Andarella, Colcci, Canal e Walter Rodrigues


Balenciaga


Calvin Klein


Cori


Ellus


Espaço Fashion


Fábia Bercsek


Manolo Blahnik


Osklen


Reinaldo Lourenço


Uma


Zigfreda




Eu usaria quase todos esses modelos, fácil, fácil.
Essas da Balenciaga, do Manolo Blahnik... aceito de presente! Hehehe!

Gente!!! Só pra lembrar, "moda não é ditadura". Cada um tem que usar o que tem a ver com seu estilo e com seu corpo, ok?!

(A bota-sandália é muito meu estilo! haha)



terça-feira, 23 de outubro de 2007

Porque sou fã da Claudinha Leitte


Não lembro exatamente quando, mas não faz muito tempo, que fiquei fã da Claudinha. Acho que foi na época que ela casou, quando li nas colunas sociais que o casamento havia sido celebrado por um pastor. Fiquei curiosa e fui pesquisar, mas não consegui descobrir se ela era mesmo evangélica. Coisa de crente, né? Querer mostrar a celebridade como irmã-troféu. Mas passou esse meu momento egoísta e depois descobri que ela não é. Pensando bem, ainda bem! E tomara que não seja fisgada por nenhuma denominação que vai querer transformá-la na mais nova pastora, levita - seja lá o que for.

Fiquei fã por suas atitudes, entrevistas que vi e coisas que ela escreve no blog pessoal.

Na internet, há informações de que ela nasceu em lar cristão, freqüentou igreja evangélica, mas hoje ela mesma faz questão de dizer que não segue nenhuma religião. Porém, diz com todas as letras que é cristã, isso sim, crente em Jesus. Achei bem legal a resposta que ela deu num blog, que questionava se ela era ou não evangélica.

Mais que isso, ela parece ser uma pessoa de caráter. Esse foi um dos primeiros posts que li em seu blog. Ótimo. Fiquei com orgulho dela, dessa sinceridade e lealdade difícil de se ver no meio secular e, sim, no “gospel” também:

“Não existe essa história de Carreira Solo. A verdade nisso tudo é que eu tenho de ser menos prolixa. Preciso aprender a ser direta. Objetividade. Quero ser clara demais e acabo fazendo uma volta ao mundo. Talvez essa mudança comece naturalmente em mim. Não vou cobrar mais ainda de mim mesma.

O fato é que eu não vou fazer carreira solo agora. Eu não vou lançar disco de MPB. Que maluquice foi essa? Tá certo, não é uma possibilidade descartada da minha vida. Mas seria precoce e muito mal preparada, pois o Babado ainda é muito Novo.

Para trabalhar uma carreira solo é necessário cuidado. Precisaremos JUNTOS articular cada passo. Digo JUNTOS porque não estou sozinha. Tenho uma equipe, sou leal, somos amigos. Eu não me tornei alguém de sucesso só.

Se isso vier de fato a acontecer, certamente, TODOS NÓS estaremos de acordo. Não será algo produzido de qualquer maneira.

Por isso que costumo dizer que não acredito em DESTINO. Acredito no LIVRE ARBÍTRIO. Acredito no AMOR DE DEUS. A gente vai fazendo a parte da gente, escolhendo caminhos, traçando metas, seguindo, e, Deus vai nos orientando. Para mim, tudo poderia ser diferente se não fosse desse jeito.
Faço tudo para que minha "música" seja clara, simples e bonita. Deus está como Maestro, coordenando-me, limpando os excessos, colocando mais beleza no meu som.”

(23/8/2006)


E aí os comentários de crentes que vi, a respeito da declaração de fé dela, foram desse nível: “se ela é cristã, por que tem uma carreira secular?”, “por que então ela não freqüenta uma igreja?”, “será que Deus se agrada da vida que ela leva?” e por aí vai...

Eu acredito sim em chamado, em dom para ser pastor, missionário, “trabalhar na obra”. Mas para quem pensa que só está servindo ao Reino de Deus quem tem algum cargo ou título em alguma igreja evangélica, ou, especificamente para músicos, quem é levita ou tem carreira gospel, recomendo ler o texto “A coisa certa do jeito certo”, do meu preferido, o Ed.

Quanto a freqüentar uma igreja, claro que seria bom, mas acho que é mesmo bem difícil para ela conseguir, pelo estilo de vida de artista que tem. Mas, pelo que ela fala, a leitura da Palavra, sozinha ou com outras pessoas, é constante em sua vida. Isso é o mais importante: quem busca, encontra. Eu acredito que ela tem um relacionamento muito íntimo com Deus e que através de sua vida está levando o nome de Jesus. Se em sua caminhada ela tiver a oportunidade ou sentir a necessidade de congregar em uma igreja cristã, com a orientação de autoridades espirituais, que bom! Torço por isso e desejo que o amor de Deus que ela se empenha em transmitir alcancem muitas e muitas pessoas.

E a respeito da última questão que citei, nem vou comentar. Desnecessário, inútil, eu penso. Já está cheio de luz na igreja, não é? Que as pessoas consigam brilhar "além dos limites culto-clero-domingo-templo".



Entre aspas: mais trechos do blog da Claudinha

Para completar o meu post, fui retirando os trechos que mais gostei do blog da Claudinha Leitte. Deu oito páginas com fonte Arial tamanho 10. Tentei cortar, consegui chegar em seis páginas, apenas. Dividi em tópicos, para facilitar a compreensão. Se quiser, leia o blog todo, vale o esforço, de verdade.



Amizade

Quantos aniversários, casamentos, jantares? Quantas “viradas de ano”, bodas de ouro, sextas, sábados e domingos? Eu realmente estou ainda mais ausente. Digo “ainda mais” porque sou negligente ateh o último fio de cabelo com essas coisas, e, ainda tenho “vida de artista”. Meus amigos penam. Eu sei. Mas eles me amam.

Eu lembro de todas as datas. Sei todos os aniversários. Lembro de detalhes de momentos que para a maioria jah foram esquecidos. Entretanto, sou negligente.

Eu não ligo toda hora, apesar de pensar demais em faze-lo. Eu não sou de fazer farra, apesar de planeja-las sempre. VAMOS JANTAR LAH EM CASA?

Eu amo. Eu quero. Eu tenho que… não passa disso.

Eu sei, eu devia fazer mais ligações. O tempo vai passando. Pronto! "Cau, vc não me liga faz dois meses.", "Cau, eu te fiz alguma coisa?", "Cau, voce pode ir para o meu casamento? Marquei dia de semana por sua causa!", "Cau, meu filho nasceu e vc soh veio visita-lo no dia do nascimento. Ele jah tem 7 meses.", "Cau, me ajuda! Eu vou me separar.", "Cau, preciso de voce!".
Por sorte, Deus colocou a lealdade em meu caminho. Tenho poucos amigos, mas eles são leais e compreensivos. E eu tambem sou leal demais a cada um deles. Sei que se eu precisar desesperadamente deles, pra qualquer coisa, todos vão estender as mãos. Ufa! E eles também sabem que, apesar da minha "Nada mole vida", a recíproca eh verdadeira.
Faço tudo pelos meus amigos.

16/10/06



Cultura

Adoro ler. Às vezes fico pensando que quando falo sobre isso as pessoas pensam que estou fazendo média. Mas é a mais pura verdade. E, para ser bem honesta, acredito que quando toco neste assunto estou fazendo algo de bom.

22/1/2007

Djavan pra mim é o plano da própria música. Por conta da história de vida deste artista, acredito que nada é impossível. Menino simples. Bem simples. Negro, nordestino e destemido. Homem, cantor e poeta.

(...)

Muitas vezes precisamos sacrificar uma parte de nós, para que nasça o que deve ficar para sempre em nós. Todos estamos condenados a viver do que "cantar". Mesmo que não sejamos como Djavan, mesmo que sejamos como minha mãe, professora.

Descobrir nossos objetivos. Ter fé, batalhar. Tudo isso pode fazer doer, mas, no final, pra quem é bom, tudo dá certo.

E quando nos sentirmos fracos? Salmo 23.

23/1/2007

Ontem a noite dividi meu coracao com uma banda fantastica e com um publico inteligente e espiritualizado, e testifiquei que, independente de estilos, a musica eh nossa hora marcada com a emocao e nosso ponto de encontro com qualquer mundo, basta que sejamos livres e honestos com nossa propria alma.

A indignacao alheia quanto a determinados estilos de musica me indigna, porque nessas atitudes ha preconceito, ha vaidade e desrespeito com o proximo. Discutir religiao, musica, e muitas outras escolhas pessoais que fazemos eh uma das nossas burrices.

Para que temos que nos manifestar contra a musica, se na verdade eh uma forma de unir e de provocar emocao? Existem tantas coisas absurdas acontecendo neste mundo, que perder tempo denegrindo quem quer que seja e suas atitudes eh, definitivamente, uma estupidez.
Nao gostar, entretanto, eh uma questao pessoal. Tem certas musicas que eu, Claudia, particularmente nao escuto com a mesma frequencia, ou simplesmente, nao escuto, porque tenho minhas preferencias, mas, respeito quem curte.

Todo movimento artistico tem um objetivo. Pouco importa o que pensem e o que dizem. "Criticos sao como insetos de um um unico dia de verao, a arte eh eterna." A musica se tornou alvo do dinheiro e muitos se renderam a ele, mas nao foram todos e nao podemos julgar, pois, alem de nao sermos qualificados sob nenhuma condicao para faze-lo, ainda ha os que nao se corromperam. Independentemente de nossas escolhas, a arte vai seguir seu caminho, pois o plano dela eh permanecer.

8/2/2007



Referencial

Eu faço parte da vida de tantas pessoas...

Essas coisas fazem-me sentir querida, mas, sobretudo, fazem-me compreender que é preciso ter mais responsabilidade, mais respeito pelo próximo, mais amor do que eu (acredito) demonstro. Esses sentimentos bons, espalhados por todos os cantos, fazem-me desejar com veemência ser alguém melhor. Por causa de tudo isso quero estar mais perto de DEUS.

11/11/2006

Vai parecer que sou um tanto moralista, eu sei. De repente, vao pensar que estou fazendo media ou que fiquei metida, mas, agora que meu Blog estah com nove milhoes de acessos mensais, pouco importa! Estou de fato mais famosa, o que nao significa que estou deslumbrada, muito pelo contrario.
Se algumas podem beber, usar drogas, ter comportamento de loucas desvairadas, ainda que sejam muito mais famosas do que eu, e influenciar negativamente - na minha opiniao de pessoa comum - muitos jovens, por que nao posso fazer o inverso?

5/8/2007

Não quero falar sobre coisas que me aconteceram ontem, nem sair por aí entregando as páginas da minha vida. Não vou ficar contando detalhes do meu casamento, nem do meu dia de solidão na praia. Não. Agora eu não quero. Também não quero falar da minha agenda de shows. Quero falar do agora, das pessoas que me cercam. Quero saber daqueles que me amam, que torcem por mim. Quero estar perto de vocês, meus queridos.

27/12/2006

Comecei a escrever sobre meus dias, banhos de mar, comidas gostosas, carinho de parentes, festas com amigos, gargalhadas na madrugada. Aí me lembrei do possível aumento de "apenas" 91% do salário de parlamentares, quando há fome e miséria em abundância no país; das 400 crianças infectadas com o vírus HIV por um médico e um monte de enfermeiras; da morte de Saddan, que não mudou a situação do Iraque; das crianças nos semáforos, do efeito estufa, dos animais que estão desaparecendo... Sou uma pessoa de Sorte.

Aí peguei Clarice. Deitei na rede e, como sempre, Deus foi providencial. "Sem querer" li MAS HÁ A VIDA.
Foi por isso que resolvi publicá-lo, pra gente compartilhar esse sentimento. Apesar de tudo, há a vida, mas só vive realmente quem ama. Irmã Dulce, Padre Cícero, Betinho, Chico Xavier, Madre Tereza de Calcutá, Ghandi e muitos outros NUNCA MORRERÃO.

Temos que nos preocupar com o mundo. Façam comunidades no Orkut sobre o amor. Vamos espalhá-lo.

10/01/07

Quero que armazenem isso em seus coracoes e em seus pensamentos. Quero tb que voces demonstrem "Eu te amo" para aqueles que os cercam. Nao se trata de faze-lo apenas com paqueras da escola ou namoradinhos que estavam em peh-de-guerra. Trata-se de mandar um bilhete para mae, dar um sorriso para o vizinho, um olhar diferente para a avo. Porque a gente precisa demonstrar sem receios. Escrevam alguma coisa. Pedir desculpas tb eh uma relevante demonstracao de amor, alem de ser um ato de humildade. De repente, brigaram com seus irmaos, com amigos e ainda estao chateados, ficam constrangidos de chamah-los pra conversar... escrevam um bilhetinho, digam tudo que sentem. Deus faz o resto.

Ser feliz eh ser agora. Vamos exalar amor, mesmo quando eh dificil falar de amor.

29/5/2007

PS: Estava indo dormir agora- a proposito, bem tarde- e resolvi passar mais uma vez no Blog. Estava com sono, muito sono, mas fiz uma oracao daquelas bem concentradas e senti vontade de retornar. Eis que aqui estou para pedir a todos que leiam o Salmo 23. Estejam certos da presenca de Deus e caminhem, sem medo, cheios de esperanca e disposicao. Estaremos caminhando em direcao a vida eterna se estivermos realmente com o Senhor. Nao adianta enchermos nossas bocas de palavras, precisamos encher o nosso coracao com "A Palavra".

14/5/2007



Humana

Casa. Comida. Roupa suja. A roupa tah suja. Alias, a casa tah uma bagunca soh. Que negocio louco ser Dona de casa. Descobri que posso ser empresaria. Achei que nao, mas posso. Mas, Dona de casa? O que fazer com a vassoura? Honestamente, eu ateh sei os movimentos, mas soh de pensar neles, bate uma preguica. Tah! Eu sei, a empregada nao estah, sou eu quem tem de fazer o servico sujo... limpo. Ai, Santo Deus! Um pedestal para microfone fica melhor na minha mao. Pareco uma daquelas menininhas tolas que nao deram duro na vida? Eu sei o que eh dar duro, nao me preocupo com o que isso vai parecer. Nao que eu nao seja uma menina mimada. Sou. Sou muito mimada, mas, venha cah, quem eh que gosta de servicos domesticos? Essa historia de moca prendada eh coisa de louco. Eu cozinho bem. Serio. No sabado antes do show lindo de Uberlandia, em MG, cozinhei um macarrao a bolonhesa. Tava delicioso. A nao ser que todos os meus amigos que comeram sejam mentirosos. Nao. Marcio jamais iria comer algo ruim. E por dois dias. Sim. Porque quando chegamos em Salvador, no domingo, o almoco foi o mesmo macarrao. Eu amei! Uma antiga receita de familia. Lavei os pratos. Enxuguei-os, mas... a vassoura? Ah! Vassoura danada. Gosto de voce no carnaval: "Varre-varre, vassourinha..." O pior eh que existe a contradicao. Eu odeio sujeira. Entao, tah, vassoura. Voce venceu. Assim que eu acordar pego voce e... entrego a empregada que chega de manha cedo. Vai descansar. Amanha seu dia vai ser pesado e o meu tb.

Jah troquei os lencois e as toalhas, dei uma varrida mixuruca no quarto. Passei um sprayzinho com cheirinho da Clube Chocolate e pronto! A maquina de lavar roupas estah abarrotada, mas tudo vai dar certo amanha. Acho que meu marido nem vai prceber, neh? Hihihihih!!! Eu preciso dormir, to com olheiras de monstro e tenho que tirar fotografias para a revista Noivas Bahia amanha cedo. Trabalhei o dia todo, vassoura! Oxe!!!

5/6/2007

As decepcoes com os outros seres humanos que, teoricamente, deveriam ter a dignidade que vc tem. Neste mundo eh surpreendente ser honrado. Que coisa, hein? Outro dia soube do Marcola. Cara inteligente, muito inteligente. Tudo eh anomalia. O carro estah pronto. O ser humano deveria ser assim as vezes. Quebra, traz problema, fica ruim, mas a gente leva pra fazer uns reparos. Santo Deus que nos diz pra ter paciencia. O Senhor deve sofrer um monte, porque doi demais ser apunhalado. A gente chora e sai andando. Tentando. Fingindo que dah pra levantar a cabeca numa boa. Vai. Voce tem que ir. Fazer o que? Nao dah pra explodir, esqueceu? Eh necessario dar um chute no vento. Porque as pessoas nao sao carros e a gente nao tem o direito de exigir que os outros sejam como a gente quer. Eh isso. Eh isso mesmo. Eh aih que estah o exercicio da paciencia. Entender, meu Pai. Ainda que a gente nao entenda. A gente tem que aceitar que todos sao pecadores, por mais que sejam a personificacao da hombridade. Levanta e vai. Mas vai logo, porque o tempo passa e a oportunidade de nao se importar com as "pedras no meio do caminho", eh apenas um teste para que voce seja uma super muher, ainda que esteja com aquela bizarra TPM.

29/8/2007

Acho que a minha vida nunca mudou tanto em tão pouco tempo. Essa brincadeira de crescer é dolorosa. A gente se olha no espelho da vida e percebe que tem muita coisa no lugar errado. Preciso abrir os olhos e enxergar mais sobre mim própria. Sim, porque quando a gente sabe mais da gente, pensa nos outros com amor. A tendência é enxergar defeitos alheios. Se nos observamos mais, não gastamos nosso PRECIOSO tempo julgando os outros.
Shakespeare dizia que o tempo é lento para os que esperam, rápido para os que tem medo, muito longo para os que lamentam e curto demais para os que vivem festejando. Mas para o amor, o tempo é eternidade.

Eu sei que, mesmo com tantas mudancas em minha vida, dentro de mim o amor continua do tamanho que ele tem. Estou um pouco confusa, porque quando a gente passa muito tempo na escuridão, ao abrir os olhos, não consegue ver tudo com clareza. Demora um bocadinho até nos acostumarmos com a claridade. Sei que existe também um pouco de vontade de nào ver. Às vezes é ruim aceitar que algumas coisas são reais. É difícil crer que algumas pessoas não nos querem bem. É uma merda perceber a maldade e a hipocrisia, principalmente quando isso vem de quem você menos espera. E pior ainda é perceber que afastar certas pessoas e coisas, depende de vc.
De repente o mundo não eh cor-de-rosa. De repente o tempo passou. De repente é o agora gritando. De repente é hora de crescer de verdade, tomar conta de você, porque "quem gosta de nos quer que sejamos alguma coisa de que eles precisam. Mentir dá remorso. E não mentir é um dom que o mundo não merece... É que por enquanto a metamorfose de mim em mim mesma "está comecando" a fazer algum sentido".

Apesar da consciência de que poucos restarão, vamos fazendo uma força pra reciclar nosso lixo. Eh clichê, eu sei, mas é verdade que tudo dá certo no final.

29/12/06



Sei que fica parecendo demagogo, ou, "talvez, quem sabe", muito "coisa de crente", mas eu sou crente mesmo. Crente de verdade. Eu creio em Jesus. Sou templo Dele. Me sinto na obrigação de conduzir minha vida em SUA direção. Afinal, há outra? Se Ele é o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA, o que mais posso fazer? Em funcao disto, tenho muitas certezas. Eu vou ser sempre vitoriosa. Eu vou ser feliz para sempre. Eu vou ter sempre proteção. Eu sei disto tudo. Isto eu posso prever. Eu não sei o que vou comer ao meio dia, mas certamente, comida nunca faltará.

(4/08/06)

Se tenho religiao? Nao. Nao. Nao tenho nao. Eu sigo meu coracao. E dentro dele mora Deus. O que ha de mais puro nesse mundo. Nao podemos ve-lo tamanha sua pureza. Gosto desses assuntos. Gosto de falar de amor, de desejar amor, de dividir o que ha de melhor em mim. Nao quero um blog repleto de palavras vas. Escrevo o que sinto e sou o que sinto. O que sinto tem valor. Alias, o que sinto tem mais valor que qualquer outra coisa. Ao final nada permanece, a nao ser o que sinto. Vou-me deste mundo, como todo mundo vai. Nao sei bem onde fica o lugar pra onde vou, mas sei o que vai ficar quando eu partir e sei o que vou levar. Muita gente se preocupa com as sobrancelhas arqueadas e sempre bem feitas, com os sorrisos plasticos e com aqueles agradecimentos vazios que as vezes sao ateh necessarios. Sim, tem que haver um pouco de tolerancia quanto a isso, mas nao eh tudo. Seja como for, o que me importa eh estar bem. Pra estar bem, eh preciso saber que nem sempre o que eh de plastico eh bom. Pra estar bem, nao precisamos da religiao. Precisamos de Deus. Buscah-lo eh muito facil, pois Ele estah em todos os lugares, em qualquer horario, em qualquer situacao, mesmo quando nao aparece em nossos pensamentos. Todavia, eh sempre necessario ter coragem para assumi-lo como fonte de vida. Imagine soh, um dia eu senti um pouco de vergonha de falar de Jesus. Eh verdade. Senti sim. Acho que por imaturidade, nao por causa da feh. Muitas vezes, principalmente quando se eh adolescente, a gente sente esse tipo de coisa. Medo de nao ser aceito, de ser rotulado, de ser diminuido. Os anos passam e vemos o quanto fomos tolos por atitudes assim. Ainda bem que a misericordia de Deus eh infinita!

Ateh hoje as pessoas me perguntam se sou evangelica, porque falo demais em Cristo, ou se sou do Candombleh, porque vivo na Bahia. (RS). Vivo num constante estado de oracao. Essa eh a verdade! E quem quiser que me ache crente, chata, moralista e ateh demagoga, eu amo ler a Biblia e Jesus eh meu assunto favorito... Preconceituar nao mata, nao engorda, mas faz um mal danado!
Falando em fazer mal, lembrei de um texto que li sobre a pratica da bondade. Recentemente, estudos cientificos confirmaram que o altruismo eh "biologicamente prazeroso". Mesmo sendo obvio para quem o pratica, estah confirmado, atraves de algumas pesquisas, que as pessoas que fazem o bem estimulam o cerebro, de maneira igual a quando comem chocolate, fazem sexo, enfim, sentem prazer. Espero que todos descubram essa fonte de satisfacao mais rapido possivel.

1/5/2007

Falando NELE, estou mais segura, serena, por causa DELE. Tenho amigos novos e abencoados que me aproximaram ainda mais da PALAVRA e testificaram que o amor eh simples, embora grandioso, mas que estah disponivel a qualquer um, em qualquer momento, mesmo que tenha que ser demosntrado apenas em oracoes, "mesmo que o tempo e a distancia digam nao".
Eu estou sentindo de verdade. Sinto na minha pele, no meu coracao. Sei o que Deus quer de mim. Agora eu sei. Mesmo que eu vacile, consigo enxergar. As vezes parece ateh loucura, mas eh bom demais.
Sei que Deus estah nas coisas mais perfeitas e obvias, que se movimenta atraves da nossa respiracao, do nosso desejo de vencer, atraves da Natureza, atraves da nossa fala. Por isso devemos cuidar do que sai da nossa boca, sobretudo, por respeito ao nosso PAI CELESTIAL. Devemos cuidar deste mundo, para que ele seja bom para todos.
Somos os verdadeiros e unicos responsaveis pelo que acontece de mau neste mundo. Ora porque somos permissivos, ora porque somos maus. Sim, nao existe alguem perfeito neste mundo. A PERFEICAO que viveu numa pele como a nossa, morreu para nos salvar faz muito tempo e passou por muitas provacoes. Nos somos pequenos, somos faceis e nao temos a mesma cruz para carregar, mas fazemos com que tudo seja muito mais complicado a nossa volta.
Temos culpa. Mas podemos ser melhores. Nao importa a religiao, pois Jesus veio a este mundo e nao deixou isto para nos. Importa o seu coracao, a busca pela sabedoria, e isso implica em conhecer para ser reconhecido. Conhecer a palavra de Deus. Conhecer, ainda que seja "em parte", pois precisaremos DELA num momento especial, no dia em que veremos "face a face".
Seria muito facil para Deus acabar com o mal do mundo. Muita gente se pergunta: "Se ELE eh o Senhor da BONDADE, por que nao destroi toda maldade deste Planeta?" Pois, se ELE o fizesse, todos se renderiam ao seu amor num piscar de olhos, afinal, todos contemplariam SUA maravilha e diriam: " Eh com ELE que eu vou ficar". Seria muito facil, A gente ia pensar: "Esse eh O cara". Mas, nao pode ser assim. Temos que ir a ELE por amor, atraves da feh. Como sabemos que amamos alguem, jah que nao vemos o amor? Nos nao vemos Deus, mas, responda-me quem puder: Alguem jah viu algo mais perfeito do que o ceu, o mar, as florestas? Teria isso vindo de poeira cosmica? Ele criou tudo que vemos com perfeicao, para que usassemos com sabedoria.
Deus nos concedeu liberdade de escolha, portanto, estah em nossas maos. Precisamos nos amar mutuamente, precisamos chegar a Deus pelo amor, pela Feh, ainda que nao o vejamos. Eh isso que ELE quer, que o amemos, atraves das nossas atitudes, atraves dos nossos pensamentos. Precisamos dar passos seguros em direcao a Deus, e, nos sabemos, soh existe UM CAMINHO: Jesus.
Vamos ler a Biblia, saber o que Jesus fez e andar como ELE andou, copiah-lo sem medo. Porque copiar os passos DELE eh ser autentico. Mesmo que a gente nao consiga ser como ELE sempre, nos esforcemos, pois Ele ve e anota as tentativas tambem.

Momentos de duvidas vao surgir, eh natural. Isso acontecia a Madre Theresa, que era alguem que fez da sua vida DOACAO constante, que amava o proximo com toda forca do seu coracao. Podem acontecer para qualquer um. Sao as provacoes da vida, mas nao podemos desistir de amah-lo. Nao podemos desistir da verdadeira felicidade.

1/10/2007


(Se chegou até aqui, é obrigatório comentar! hehehe)


segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Atarefada com outros blogs

Oi gente.

Tenho alguns posts formulados aqui na minha cabeça, como a resposta sobre a Claudinha e o meu comentário a respeito do filme Tropa de Elite. Mas os afazeres mais recentes e a minha dificuldade em seguir o planejamento e os prazos não me permitiram.

Felizmente, fiz muitas coisas nesse período sem postar. Fechei uma edição de revista, já comecei outra. Teve sessão nostalgia no sítio, no dia das crianças. Fiz passeios com minhas irmãs. Rodei alguns shoppings atrás de uma tal de sandália-botinha e achei, ufa! (hehehe).

E além de tudo isso, é reta final na pós. Tô com vários livros na cabeceira esperando serem lidos e absorvidos. Tenho trabalhos a fazer e apresentar. E um artigo científico, meu TCC, todinho a ser escrito. Até dia quinze de dezembro.


Hoje listei os blogs que vou analisar. Mas
não é definitivo: nessa lista, podem entrar ou sair endereços. O meu objeto de estudo é “blogs de músicos famosos”. Vou analisar o conteúdo, forma de comunicação com o público-alvo, linguagem, mídias usadas, exposição da vida privada, criação do mito, aproximação com o leitor, esse tipo de coisa. Bem legal, né?


Alguns dos escolhidos são esses abaixo. Se tiverem alguma outra indicação, podem me passar.

Claudinha Leitte - Ivete Sangalo - Wanessa Camargo - Oficina G3: Duca Tambasco (sim, já puxei a orelha dele e exigi que dê um jeito nesse vazio!) - Juninho Afram e Jean Carllos - Skank - Sergio Britto (Titãs) - Léo Jaime - Ana Paula Valadão - Jair Oliveira - Kiko Loureiro -
Toquinho - Detonautas - Gabriel, o Pensador - Paulo Ricardo - Pitty - Roger (Ultraje a Rigor) - Kevin Max


Eu “fechei” em artistas músicos, mas pra quem quiser fuçar blogs de famosos, dê uma olhada no Bloglog, cheio de globais e outros nomes conhecios. Tem também essa lista que achei, com 66 blogs de celebridades internacionais.


Blogueiros, avante!

terça-feira, 9 de outubro de 2007

Sou fã da Claudinha...

Pensando em Você - Claudia Leitte e Henrique Cerqueira



... depois eu conto o porquê.


Aniversário


Todo dia oito é nosso dia.

Nesse de outubro, em especial, comemoramos cinco anos de namoro.

Bom mesmo é namorar o marido e jogar frescobol!
Frescobol? Sim, daquele texto do Rubem Alves.

Mandei para ele por email, há pouco mais de cinco anos, comentando o que eu pensava sobre. Ele respondeu, concordando.

Mas antes disso teve o filme "Cidade de Deus", o primeiro que a gente viu junto. No Higienópolis, depois da exposição sobre a China na FAAP. Não podia ser nada romântico - éramos apenas amigos ainda -, circunstâncias da vida.

Na verdade, nossa história começa antes. Mas aí já é assunto para uma tarde entre amigas, tomando um café!

No mais, a gente segue, "partilhando o ônus e bônus da existência comum", como diz o sábio Ed.


sexta-feira, 5 de outubro de 2007

Pesquisar: blogueiros+famosos



Pesquisando. Digitei no Google ‘blogueiros+famosos’.
Numa olhada rápida, cheguei a alguns links que achei legal compartilhar aqui.


- Encontro dos Melhores da Blogosfera Brasileira
Eu ainda não tinha visto a expressão blogosfera, achei interessante. Nesse post, o autor Gino Netto sugere que seria muito útil que os grandes blogueiros se reunissem para realizar palestras destinadas a quem se inspira neles e quer aprender a blogar. Aliás, o blog dele é exatamente sobre blogs e blogueiros e no texto do link ele cita algumas pessoas que se destacam na blogosfera.


- Como fazer um blog corporativo e inserir sua empresa na internet
Blog do empreendedor Roberto Machado, no post ele compartilha os prós de apostar no blog: “Você pode fazer um blog quase de graça se comparar com outras formas de publicidade.”


- Blogs e Feudos
O autor Edney Souza inicia com a questão “Qual a diferença de um blog famoso e um blog de sucesso?”, fala de ‘panelinha blogueira’ e termina deixando um conselho: “... não se esforcem para serem blogueiros famosos ou de sucesso, se esforcem para serem formadores de opinião e vocês terão seu lugar na história”.


Vale visitar cada um dos três links e mais ainda, clicar também em “sobre o autor” e “sobre o blog” para entender um pouco mais desse universo. Ou ver esses blogs todos, inteirinhos!
Fica a dica.


Google Black
Ficou curioso vendo a imagem da pesquisa num Google com fundo preto? O print screen foi feito intencionalmente na página do
"Google Black" só para contar essa: um amigo me disse que a tela preta do computador gasta menos energia que a tela branca, ou seja, o fundo preto seria ecologicamente correto.
Tem algo sobre isso no blog
Guerrilha Verde.


Três Expos, um relato

Foi super corrido. Três feiras para visitar e cobrir. Uma na seqüência da outra. E outra nos mesmos dias da seguinte. Expo Cristã, Pet South America e Expo Music. Mas foi legal.


Na
Expo Cristã o mais gostoso foi encontrar gente querida. Em segundo lugar, foi voltar a fazer freelas para a Eclésia, que é uma revista que eu amo.


Falando em
Eclésia, vou contar bem rapidinho essa história. Não lembro como conheci a Eclésia, mas comecei a ler depois que mudei para São Paulo, faz uns sete anos. Desde então, eu lia sempre, ia de banca em banca até achar. Nessa época eu fazia cursinho e ia prestar vestibular para Jornalismo mais uma vez. Eu queria ter muita certeza da minha escolha, então liguei na redação e falei com o editor Carlos Fernandes. Fui conversar com ele e conhecer o trabalho. Quando entrei na faculdade, ele me convidou para fazer freelas (lembram daquela liminar que permitia o exercício do Jornalismo sem diploma?).

Pois bem, adorei a idéia. E adivinhem qual foi minha primeira matéria? Eu pedi para entrevistar a banda Oficina G3, que eu também amava! O Carlos permitiu, “tá, mas matéria de uma página”, eu fui atrás e fiz a entrevista. E a partir desse dia eu comecei a admirar bem mais o baixista do que a banda! Fiz ainda outras matérias que me deixaram super orgulhosa, como uma que foi capa.

Também não posso deixar de citar que a Eclésia me apresentou Ed René Kivitz, dono da coluna que eu mais gostava, que trazia reflexões sobre o cristianismo de uma forma única. E não é que aquele baixista que eu passei a reparar freqüentava a igreja desse pastor?!

Eu disse que ia contar rapidinho, então, voltando às feiras: na Expo Cristã entrevistei, fiz fotos, já escrevi a matéria, agora vamos ver se ela vai entrar...


A
Pet South America é a feira do mercado pet e eu cobri para a revista Pet Shop. É a única que era mesmo obrigatório ir e se não fosse a trabalho eu definitivamente nunca iria, até porque ela não é aberta ao público em geral, já que é voltada para quem trabalha nesse setor (lojistas, donos de pet shops, médicos veterinários, donos de clínicas etc.). Mesmo não sendo aberta ao público, estava lotada. A matéria entra na edição que vou fechar neste final de semana.

Foi interessante conhecer a Pet South America. A cada dia eu fico mais chocada com o que tem de coisa nesse mundo para bicho. Muitas pessoas estão mesmo deixando de ter filhos de verdade e preferindo tratar um pet como filho. Segundo o Duca, ainda bem, porque assim eu continuo tendo trabalho.

Agora, a última feira, Expo Music. Essa eu não tinha que ir, mas fui todinhos os dias. Fotografei, filmei e parte do resultado já está no site do Oficina G3. Se não fosse pelo Duca, acho que eu nunca visitaria essa feira. Só é legal por estar com ele, fazer material para o site e ter várias pessoas conhecidas por lá.

Na verdade, se não fosse para cobrir, eu provavelmente não iria mais a nenhuma expo. Nem bienal do livro, que eu sempre visitei por gostar mesmo. Cansei de lugar tumultuado assim. (Ficando velha, eu?!) O que salva nessas coberturas é a credencial de imprensa, sério. Primeiro, porque estando a trabalho, não precisa pagar para entrar; segundo, porque não precisa pegar fila na entrada; terceiro, porque..., ah, porque normalmente as pessoas te dão um pouco de atenção e é bom ser um pouco vip, não é?!


terça-feira, 25 de setembro de 2007

O que vem de cima me atinge

O que vem de baixo não me atinge. Engraçado. Mas eu lembrei dessa frase ao aprender esses dias que o que vem de cima me atinge. E se você está em cima pode atingir os outros.

Pelo menos, quando se mora em apartamento, como eu.

Recentemente descobri que o apartamento onde moro está com problemas de encanamento. Na verdade, eu não descobri. Foi a vizinha de baixo que me alertou, já um pouco furiosa. O problema no 31 estava prejudicando o 21, provocando vazamentos e estragando seus armários. Só então fui saber que o 21 e o 41, entre outros, tinham passado pelo mesmo problema. E o 31 já tinha apresentado problemas anteriores, antes da gente mudar para cá.

Em busca de um encanador confiável, passei a ter um pequeno contato com meus vizinhos de baixo e de cima, que até então eu possivelmente só havia cumprimentado no elevador. Numa dessas conversas, a vizinha do 21 contou que também aprendeu na prática que os problemas nos prédios vêm de cima, pena que ela comprou o apartamento no segundo andar e aprendeu isso um pouco tarde. E eu que pensava que o inconveniente dos andares baixos era apenas o barulho!

A vizinha contou que um morador da cobertura resolveu certa vez plantar uma árvore. Na cobertura. A árvore foi crescendo, suas raízes também... foram crescendo pelos canos! Por isso, por favor, nada de árvores na cobertura!

Nós moramos no terceiro andar. O prédio tem muitas árvores (plantadas no solo!) e a copa de uma delas é bem na frente da sacada do nosso quarto. Eu acho muito legal, pois os galhos “escondem” a sacada, impedindo que alguém no prédio da frente veja o quarto. O Leo também gosta muito, ele fica atento aos pássaros, toma sol e descansa preguiçoso. Mas se um dia nós formos comprar um apartamento, vai ter que ser da metade para cima. Pelo menos diminui a probabilidade de problemas.

Ah, sim, o vazamento. Chamei dois encanadores indicados. Os dois me deram o cano na primeira vez. Nem ligaram nem nada! Na segunda, o primeiro veio, avaliou e tal. Amanhã é a segunda tentativa com o segundo encanador chamado. Vamos ver se dessa vez ele vem.

Bom, estou escrevendo tudo isso na verdade para dizer que até pouco tempo atrás eu não tinha que resolver coisas desse tipo. Meu pai sempre me pareceu tão preparado para essas decisões domésticas! Mas e eu? Eu não me sinto nem um pouco preparada. Aí eu espero que o meu marido, homem, saiba resolver com desenvoltura todo tipo de inconveniente. Ele também não sabe... Depois que a gente vira “gente grande”, tem que continuar crescendo...

Será que vamos conseguir aprender? Será que nossos filhos vão achar que sabemos?

Pelo menos aprendemos algumas coisas e ficam aqui as dicas:

- ao alugar ou comprar um apartamento, prefira os do alto;

- antes de fechar negócio, pergunte aos vizinhos sobre problemas anteriores ocorridos no prédio;

- muito cuidado com o local onde você resolve plantar uma árvore;

- você pode estar atingindo, sem saber, quem está embaixo.


Estávamos reavaliando se seria melhor adquirir um apartamento por aqui, perto de tudo. Agora acho que vamos mesmo é continuar com o projeto da casa. Esse negócio de viver em comunidade não é fácil.

E finalmente eu entendi aquela propaganda (mas continuo achando horrível) da mulher que quebra a parede do prédio, confere a qualidade do produto e só então diz para o marido “pode fechar”.


segunda-feira, 17 de setembro de 2007

“Quando coisas ruins acontecem às pessoas boas”




Peguei para folhear de madrugada e não parei. Procurei trechos ou o pdf na internet e não achei. Comecei a digitar as passagens que mais me chamaram a atenção e o resultado você pode conferir abaixo.

Pretendo em breve, após lê-lo todo, postar minhas considerações sobre a obra.


Trechos do livro “Quando coisas ruins acontecem às pessoas boas” (Editora Nobel, 1988), do rabino Harold S. Kushner


Acaso viveríamos num mundo melhor se os favoritos de Deus ficassem imunes às leis da natureza, enquanto o resto teria que se arranjar por conta própria?

Página 64


Não sei por que uma pessoa fica doente e outra não, mas suponho que algumas leis naturais que ignoramos estão em ação. Não consigo aceitar a idéia da doença “enviada” por Deus a alguém em especial por uma razão determinada. Não acredito que Deus tenha semanalmente uma quota de tumores malignos a distribuir ou que consulte Seu computador para saber quem merece mais ou quem pode suportar melhor. “Que fiz eu para merecer isto?” é um grito compreensível da parte de um enfermo ou de um sofredor, porém a pergunta está realmente mal formulada. Ficar doente e ter saúde não é decidido por Deus conforme nosso merecimento. A formulação melhor é: “Se isto me aconteceu, que faço eu agora e quem está aí para me ajudar?” (...) torna-se muito mais fácil levar Deus a sério como uma fonte de valores morais quando não o responsabilizamos por todas as injustiças que existem no mundo.

Página 65


Para sermos livres, para sermos humanos, Deus é obrigado a nos dar liberdade para o bem e para o mal. Não fôssemos livres para escolher o mal, tampouco o seríamos para escolher o bem. Como os animais, seríamos apenas convenientes ou inconvenientes, obedientes ou desobedientes. Não teríamos características morais e muito menos poderíamos possuir características humanas.

Página 84


Nossa liberdade moral significa que, se escolhemos o egoísmo e a desonestidade, podemos ser egoístas ou desonestos, e Deus não nos deterá. Se desejamos apropriar-nos de algo que não é nosso, Deus não afasta nossa mão do objeto alheio. Se desejamos ferir alguém, Deus não intervém para nos impedir de fazê-lo. Tudo o que Ele faz é dizer-nos que certas coisas são erradas, avisando-nos de que nos arrependeremos de fazê-las, e esperar que, se não levarmos a sério Sua palavra, acabemos por aprender por nossa própria experiência.

(...)

Deus Se impôs um limite além do qual Ele não intervém, para preservar nossa liberdade, inclusive a liberdade de nos machucarmos ou àqueles com os quais convivemos. Em Seu desígnio, o Homem evoluiu moralmente livre, e não há retrocesso no relógio evolutivo.

Por que, então, coisas ruins acontecem a pessoas boas? Uma das razões é que nossa condição de seres humanos nos deixa livres para ferirmos uns aos outros, e Deus não pode deter-nos sem retirar-nos a liberdade que nos torna humanos. Os homens podem trapacear, roubar e ferir uns aos outros, e Deus limita-se a observar com piedade e compaixão o quão pouco nós aprendemos, no decorrer dos séculos, sobre como os seres humanos devem comporta-se.

Página 85


Orar pela saúde de uma pessoa, pelo resultado favorável de uma operação tem implicações que só podem preocupar a alguém que pensa. Se a oração funcionasse como muitas pessoas acham, ninguém morreria, porque nenhuma oração é feita com maior sinceridade que aquela pela vida, pela saúde e pela recuperação de uma doença, por nós ou pelos que amamos.

(...)

Existem diversas maneiras de responder a alguém que pergunta: “Por que não obtive aquilo por que orei?” E a maioria das respostas são problemáticas, conduzindo a sentimentos de culpa, ou raiva ou desesperança.

(...)

Podemos mudar nosso entendimento do que significa orar e do que significa serem nossas orações atendidas.

(...)

Tampouco, como já sugerimos, podemos pedir a Deus que mude as leis da natureza, que torne condições fatais menos fatais ou que mude o curso inexorável de uma doença. Por vezes milagres acontecem. Malignidades misteriosamente desaparecem, pacientes incuráveis se recuperam, e os médicos, perplexos, atribuem-no a um ato de Deus. Tudo o que podemos fazer em tais casos é acompanhar a gratidão confusa do médico. Não sabemos por que uns se recuperam espontaneamente de doenças que matam ou aleijam outros. Não sabemos por que certas pessoas morrem em desastres de carro ou avião, enquanto outras, sentadas ao seu lado, se salvam com poucos ferimentos ou queimaduras, além de um grande susto. Não posso acreditar que Deus ouça as orações de uns e não as de outros. Não haveria qualquer razão para Ele assim proceder. E as mais minuciosas pesquisas nas vidas das pessoas que morreram ou que sobreviveram não nos ensinariam a viver ou a orar de modo a merecermos também nós os favores de Deus.

Quando os milagres se realizam e as pessoas superam os piores obstáculos à sua sobrevivência, deveríamos ser aconselhados a nos curvar diante do milagre e não a pensar que foram nossas orações, donativos e penitências que o causaram. Quando tentarmos outra vez, talvez não entendamos por que nossas orações sejam ineficazes.

(...)

Finalmente, não podemos pedir a Deus em oração que faça algo que está dentro das nossas possibilidades, para nos evitar o incômodo de fazê-lo.

(...)

Se não podemos orar a Deus pelo impossível ou pelo que não é natural, se não podemos orar no sentido de vingança ou irresponsabilidade, pedindo a Deus para levar a cabo o que compete a nós fazer, o que sobra para pedirmos em oração?

(...)

A oração, quando feita de maneira correta, redime as pessoas do isolamento. Dá-lhes a certeza de que não precisam sentir-se sós e abandonadas. Leva-as ao conhecimento de que fazem parte de uma realidade maior, de maior profundidade, maior esperança, maior coragem e mais futuro do que qualquer indivíduo poderia ter por si próprio.

(...)

Além de nos colocar em contato com outras pessoas, a oração nos coloca em contato com Deus. Não estou certo de que a oração nos coloca em contato com Deus do modo como muita gente pensa que ela faz – abordando a Deus como um suplicante, como um mendigo pedindo favores, ou como um freguês apresentando-Lhe uma lista de compras e indagando quanto custa. O objetivo principal da oração não é pedir a Deus para mudar as coisas. Se chegarmos a entender o que a oração pode e deve ser e nos livrarmos de algumas expectativas irrealísticas, estaremos em melhores condições de recorrer à oração e a Deus, quando mais estivermos necessitados.

(...)

Este é o tipo de oração a que Deus responde. Não podemos orar para que Ele torne nossas vidas livres de problema; isto não acontecerá, e será o mesmo que não orar. Não podemos pedir-Lhe que nos livre a nós e àqueles que amamos da doença, porque Ele não pode fazer isto. Não podemos pedir-Lhe que estenda uma rede mágica ao nosso redor, de modo que as coisas ruins só atinjam às outras pessoas, nunca a nós. As pessoas que rezam por milagres normalmente não conseguem milagres, como as crianças que rezam por bicicletas, por boas notas ou por namorados não os conseguem através de suas orações. Mas aqueles que oram por coragem, por fortaleza para suportar o insuportável, em agradecimento pelo que lhes foi deixado frente ao que lhes foi tirado, estes muito freqüentemente têm suas orações atendidas. Eles descobrem que têm mais força e mais coragem do que jamais pensaram ter. Onde a conseguem? Penso que suas orações ajudaram-nos a descobrir aquela força. Suas orações ajudaram-nos a trazer à tona aquelas reservas de fé e coragem que antes não lhes estavam disponíveis.

Páginas 115 a 126


“Se Deus não pode acabar com minha doença, para que serve Ele? Quem precisa dEle?” Deus não deseja que você esteja doente ou aleijado. Ele não lhe causou este problema e não deseja que você continue assim, mas Ele não pode afastá-lo. Seria pedir algo que é difícil até para Deus. Para que serve Ele, então? Deus faz com que pessoas se tornem médicos e enfermeiras para prestar auxílio e dar alívio. Deus ajuda-nos a ser corajosos mesmo quando estamos doentes e amedrontados e nos dá a certeza de que não enfrentamos nossos medos e nossas dores sozinhos.

A explicação convencional, segundo a qual Deus nos manda o fardo porque sabe que somos fortes o suficiente para suportá-lo, é totalmente incorreta. O destino, não Deus, nos envia o problema. Quando estamos às voltas com ele, descobrimos que não somos fortes. Somos fracos; sentimo-nos cansados, irados, sobrecarregados. Começamos a nos questionar o que fazer ao longo dos anos. E quando atingimos os limites de nossa força e coragem, algo inesperado nos acontece. Encontramos reforço vindo de uma fonte que fica fora de nós. E conscientes de que não estamos sós, de que Deus está ao nosso lado, conseguimos ir em frente.

Página 130


Eu creio em Deus. Mas não creio nas mesmas coisas a respeito dEle em que acreditava há alguns anos, quando eu estava crescendo ou quando era estudante de teologia. Reconheço Suas limitações. Ele é limitado no que pode fazer pelas leis da natureza e pela evolução da natureza e da liberdade moral humanas. Não mais considero Deus o responsável por doenças, acidentes e desastres naturais, porque percebo que ganho pouco e perco muito quando incrimino a Deus por semelhantes coisas. Posso mais facilmente cultuar um Deus que odeia o sofrimento, mas não pode eliminá-lo, do que cultuar um Deus que opta por fazer as crianças sofrerem e morrerem, qualquer que seja a razão dada.

(...)

Deus não causa as nossas desgraças. Algumas são causadas por má sorte, outras vêm de gente perversa e outras ainda são simplesmente a conseqüência inevitável do fato de sermos seres humanos e mortais, vivendo em um mundo de leis naturais inflexíveis. As coisas dolorosas que nos afligem não são punição por nosso mau comportamento nem, de qualquer forma, fazem parte de um grande desígnio de Deus. Como a tragédia não decorre da vontade de Deus, não precisamos sentir-nos magoados ou traídos por Deus quando a tragédia nos golpeia. É possível ir a Ele em busca de auxílio para superá-la precisamente porque podemos dizer que Deus está tão ofendido quanto nós.

Página 135


Seja-me permitido sugerir que os males que surgem em nossas vidas não contêm nenhum significado especial. Não acontecem por nenhuma boa razão que nos faça aceitá-los de boa vontade. Mas podemos dar a eles um sentido. Podemos redimir essas tragédias da falta de sentido impondo-lhes um sentido. A questão que devemos propor não é “Por que isto me aconteceu? Que fiz eu para merecer isto?” Esta é uma questão realmente irrespondível, sem graça. Uma pergunta mais interessante seria: “Agora que isto me aconteceu, que vou fazer?”

Página 136


Que diferença faz Deus em nossas vidas, se Ele nem mata nem cura? Deus inspira as pessoas a ajudarem outras que foram feridas pela vida e, ao ajudá-las, elas as protegem do perigo de se sentirem sós, abandonadas ou julgadas.

(...)

Deus, que não causa nem elimina as tragédias, ajuda inspirando as pessoas a ajudarem. Como um rabino hasídico do século XIX certa vez observou, “os seres humanos são a linguagem de Deus”.

Página 140


Você é capaz de perdoar e aceitar com amor um mundo que o decepcionou por não ser perfeito, um mundo em que existe tanta iniqüidade e crueldade, doença e crime, terremoto e acidente? Pode você perdoar-lhe as imperfeições e amá-lo por conter grande beleza e bondade e por ser o único mundo que nós temos?

Você é capaz de perdoar e amar as pessoas que lhe estão ao redor, mesmo quando elas o ferem e derrubam por não ser perfeito? Acaso pode perdoá-las e amá-las simplesmente porque ninguém é perfeito e porque a penalidade por não ser capaz de amar pessoas imperfeitas é condenar-se à solidão?

Você é capaz de perdoar e amar a Deus mesmo quando descobre que Ele não é perfeito, mesmo quando o magoou e desapontou permitindo a má sorte, a doença e a crueldade em Seu mundo, e permitindo que algumas dessas coisas o atingissem? Porventura pode aprender a amá-Lo e perdoá-Lo, não obstante suas limitações, como Jó fez e como você certa vez aprendeu a perdoar e amar a seus pais depois de perceber que eles não eram tão sábios, tão fortes e tão perfeitos como você precisava que eles fossem?

E se você puder fazer tudo isto, poderá ainda reconhecer que a capacidade de perdoar e a capacidade de amar são as armas com que Deus nos dotou para viver com plenitude, coragem e sentido neste mundo menos-que-perfeito?

Página 147


Não podemos, ó Deus, pedir-Te que simplesmente acabes com a guerra;

Pois sabemos que fizeste o mundo

De maneira que o homem pode encontrar seu próprio caminho para a paz

Dentro de si e com seu vizinho.

Não podemos, ó Deus, pedir-Te que simplesmente acabes com a inanição;

Pois já nos deste recursos

Suficientes para alimentar o mundo todo

Se os utilizarmos com sabedoria.

Não podemos, ó Deus, pedir-Te simplesmente

Para acabar com o preconceito,

Pois já nos deste olhos

Para vermos o bem em todos os homens,

Bastando usá-los corretamente.

Não podemos, ó Deus, pedir-Te simplesmente que acabes com o desespero,

Pois já nos deste o poder

De eliminar as favelas e distribuir esperança,

Se formos capazes de usar nosso poder com justiça.

Não podemos, ó Deus, pedir-Te simplesmente que acabes com a doença,

Pois já nos deste grandes inteligências

Para pesquisar e descobrir as curas,

Só nos faltando usá-las construtivamente.

Assim, em vez disso tudo nós Te pedimos, ó Deus,

Fortaleza, determinação e vontade,

Para fazermos e não apenas orarmos,

Para sermos e não simplesmente desejarmos.

(Jack Riemer, Likrat Shabbat)

Página 120